25 novembro 2006

Ilha de S. Miguel (X)

Ponte dos Sete Arcos da vila do Nordeste Panorâmica a partir do Pico de S. Bartolomeu Lagoa do Fogo Entrada do Parque Terra Nostra Queda de água ferrosa, a caminho da vila da Ribeira Quente Ananás Tabaco a secar

9 comentários:

garina do mar disse...

fotos lindas... fiquei com saudades de férias... e de voltar aos Açores...

morgane the fairy disse...

Os Açores são de facto mágicos. E as fotos fazem-lhes justiça.
A minha preferida, apesar da magia das Furnas é, sem dúvida, a Lagoa do Fogo. Quantas vezes coberta, obrigando a esperar que se digne mostrar-se em todo o seu esplendor, mas depois que espectáculo: o olhar é captado pelos cambiantes do azul das águas, pelos reflexos móveis das sombras das nuvens e das rugas do vento que brinca com a superfície desfazendo o espelhado. Demora a conseguir-se desviar os olhos para o verde "profundo" das encostas, e depois, para mais longe, para um outro azul, desta vez o do mar.
Único. E mágico.

garina do mar disse...

Outra vez as magias?
aqui deve haver é bruxedo: aquela queda de água é estranhíssima! a côr não é uniforme, como se tivessem deitado umas latas de tinta que não se misturou...
e o ananás está encarnado!! é o reflexo das folhas ou é porque ainda não "cresceu" tudo?

nautilus disse...

Bonitas fotografias. A garina do mar tem razão, aquela queda de água é mesmo muito estranha. Lembro-me de ter visto no Parque Terra Nostra uma piscina de água bem amarela, mas com esta côr e sobretudo assim "deslaçado" nunca tinha visto.
E é interessante a seca do tabaco. Nunca vi das vezes que lá estive, onde é que é? Gosto bastante das meias coroas da Estrela.

Laurus nobilis disse...

A quera de água é muito bonita e uma coisa engraçada, é mesmo essa não uniformidade na cor. Agora... a água é mesmo ferrosa, tal como no Terra Nostra ou na Caldeira Velha. Mas é uma bela misturada de cores, não é?

O ananás ainda deve crescer mais uns 7 ou 8 meses até poder ser colhido - um ananás demora praticamente 2 anos, desde a frutificação até à colheita.

A seca de tabaco é algures... não me lembro onde!

Adoro aquela ilha!!!

nautilus disse...

Uma das coisas que me impressionou quando fui a Ribeira Quente foi a convergência de uma área enorme de encostas, quase circular, para aquela localidade. Os tempos de concentração devem ser mínimos e quase iguais, por isso não admira que quando chove mais haja ali problemas de escoamento.
Mas com bom tempo é um sítio interessante.

Anónimo disse...

Se eu pudesse, mudava-me já de armas e bagagens para os Açores...

nautilus disse...

Isso é não saber o que são os Açores. Há ilhas e ilhas. Em São Miguel e no Faial pode-se viver. As outras são muito bonitas para visitar, mas viver? Nem com uma boa biblioteca.

garina do mar disse...

Pois, São Miguel até que é fixe... o Faial, talvez com um barco e muito tempo para muitos mergulhos, mesmo assim com uns dias seguidos de mau tempo deve ser desesperante... a Terceira arma-se em grande mas é uma aldeia... e as outras... São lindas todas! mas para férias!!!