04 novembro 2006

Um passeio pelo Alandroal: o(s) santuário(s) do Endovélico

Em tempos, em estudos que fiz para o Alentejo, tinha ouvido falar no santuário do Endovélico, no concelho do Alandroal. Despertou-me curiosidade: sempre gostei da época pré-romana e o Endovélico, antes de ser “assumido” pelos romanos, era um deus dos Lusitanos, mas não investiguei o assunto. Há pouco tempo, a propósito de um passeio a Monsaraz lembrei-me do santuário e, quase logo a seguir, leio “A voz dos Deuses” do João Aguiar, um livro muito interessante sobre Viriato, onde quem “conta” a história é um sacerdote desse santuário. Tinha que ir investigar. O que não é fácil, porque Endovélico é o nome da base de dados do IPA, ou seja numa busca na net aparecem todos os registos arqueológicos dessa base de dados.
As referências “oficiais” localizam o santuário em São Miguel da Mota, no Alandroal, com base nos trabalhos de Leite Vasconcellos que, neste local, encontrou inscrições em aras dedicadas a Endovélico e uma escultura que seria uma sua imagem.
Mas entretanto descubro um relatório do IPA “Novas investigações no santuário de Endovélico (S. Miguel da Mota, Alandroal): a campanha de 2002”, onde se conclui que neste local “não subsistem vestígios de ocupações pré-romanas” e que “procedemos a prospecções geofísicas na encosta nascente que revelaram um conjunto de estruturas soterradas que parece indicar a existência de um “santuário de terraços”. Assim, o santuário de Endovélico terá sido uma construção monumental de plano clássico, edificada em época romana, que será investigado em futuras campanhas”.
E um texto publicado pela Casa de Sarmento sobre povoamentos proto-históricos no Alentejo, refere que na ribeira do Lucefécit havia um outro santuário, o da Rocha da Mina.
Poderia ser este o verdadeiro santuário do Endovélico? no Alandroal pensam que sim. Depois de ter ido a um e a outro, e sem fundamento nenhum que não seja o da minha intuição, fiquei a achar o mesmo: que o de São Miguel da Mota é uma “invenção” dos romanos, e que o da Rocha da Mina é um santuário de um deus celta.

1 comentário:

garina do mar disse...

Esses romanos só inventavam coisas! nem percebiam que os deuses daqui não queriam saber deles pra nada!! Quanto mais de um "santuário" facilzinho...