06 novembro 2007

Pontos Fracos
  • O predomínio de processos difusos de urbanização e industrialização dificulta a afirmação de pólos que confiram à Região maior unidade funcional
  • Necessidade de modernização da indústria e de adaptação às novas formas de organização do mercado e de inovação nos processos produtivos
  • Concelhos do interior com índices de poder de compra iguais ou inferiores a 60%
  • (na foto: pinhal de "Leiria")

    5 comentários:

    Anónimo disse...

    Pois...nos processos de urbanização é onde reside um dos maiores problemas deste país...JC.

    nautilus disse...

    É uma grande verdade. Mas aqui ressalta sobretudo a grande diferença entre litoral e interior e a falta de eixos estruturantes. Talvez o IC8 consiga "salvar" a situação.

    BLUE MOON I disse...

    A grandeza das nações vê-se SEMPRE pelos seus meios de comunicação! Tão simples como isto.
    A nós , a nossa miséria, só deu jeito com os franceses, durantes as invasões, que não tinham estradas para movimentar os exercitos... Depois foi só desgraças; Mas estou-me a repetir, não?? Estou xéxé....

    garina do mar disse...

    mas nós agora já começamos a ter boas acessibilidades!! faltam umas na zona centro, é verdade...

    mas já reparei que na zona da Marinha Grande pelo menos começa a haver muita modernização das fábricas de vidros... pelo menos já fazem peças com design...

    nautilus disse...

    Quando analisei o PRASD era notória a coincidência entre as "áreas deprimidas" e a falta de acessibilidades. No caso do Tâmega, por exemplo, já resolveram o problema (das acessibilidades, o resto não sei :))