06 novembro 2007

Ideias para Portugal (7)

Leiria: Empreendedorismo, Agricultura, Turismo
Pontos Fortes
  • Centros urbanos (eixo Caldas da Rainha / Alcobaça / Leiria / Pombal) e manchas de evidente especialização produtiva (vidro, cerâmica, produtos metálicos, calçado, indústrias agro-alimentares, turismo) que organizam um território dinâmico, em transformação, mantendo a sua natureza rural
  • Região não tributária de Lisboa e com baixa dependência do Estado: o espírito empreendedor e a atitude de risco e inovação dos agentes económicos tem permitido potenciar os recursos existentes
  • Para além da elevada produtividade da indústria do vidro, relevante dinamismo da indústria de moldes: importante cluster na produção de equipamentos, com elevada intensidade tecnológica
  • Explorações agrícolas de qualidade na zona do Oeste (horto fruticultura para consumo em fresco) com elevados níveis de produtividade, reconhecidas e apreciadas internacionalmente, combinando qualidade e preços competitivos (pêra rocha, maçã de Alcobaça).
  • Diversidade da paisagem do litoral e do interior, riqueza arqueológica e arquitectónica, manutenção de traços culturais de artesanato e de tradições locais e, sobretudo, a riqueza do tecido associativo, apesar do seu fraco aproveitamento e dos riscos de extinção de parte desse património
  • (nas fotos, de cima para baixo: castelo de Leiria, pomar na Estremadura e porto de pesca de Peniche)

    9 comentários:

    Laurus nobilis disse...

    Esta zona é sem dúsvida uma das zonas onde se nota um dinamismo empresarial bastante acentuado. O que é pena, é que em muitas situações, esse dinamismo seja "disparado" em todas as direcções, sem que haja a criação de estratégias integradas com os diferentes agentes económicos.

    nautilus disse...

    Penso que uma das razões de falta de estratégia tem a ver com a falta de critério das divisões regionais.
    Primeiro existem divisões administrativas oficiais - os distritos -, mas depois existem as regiões para fins estatísticos que são as usadas para o planeamento territorial (no distrito de Leiria são 2 - LVT e Centro que também dividem o litoral), já as regiões hidrográficas são 4 (ribeiras do Oeste, Tejo, Lis e Mondego) mas as de Turismo são 3 - Leiria/Fátima, Oeste e Centro. E não sei como se dividem as da Agricultura e as da Indústria (parece que agora talvez coincidam com as estatísticas).

    E isto para não referir as questões por exemplo associadas aos aeroportos. Há 3 anos era importantíssimo adaptar Monte Real à aviação civil. Depois deixou de se falar nisso, havia a Ota. Entretanto falou-se num aeroporto para servir Fátima que já não era Montereal. Quem é que se entende com isto?

    Anónimo disse...

    Tudo muda rápidamente conforme as necessidades políticas de quem está no poder,por isso esta confusão toda.JC.

    nautilus disse...

    Infelizmente é assim. E não é preciso mudar a côr política. Basta mudar o ministro.

    BLUE MOON I disse...

    Vocês pôem-se a meter ideias na cabeça desta malta, e depois ninguém os atura!!! Lembrem-se que a ultima vez que alguém sofreu uma crise dessas, ainda foi em castelhano....

    BOM, bom bom, bom bom....

    garina do mar disse...

    oh Blue Moon! não percebo nada!! em que é que as coisas do Nautilus fazem lembrar os castelhanos?

    nautilus disse...

    Pois, Blue Moon
    Que crise foi essa?

    BLUE MOON I disse...

    Pois, referia-me ao periodo antes da FUNDAÇÂO...
    Gabam as coisas, depois querem-"LA"

    nautilus disse...

    Deve ser da hora tardia. Mas continuo a não perceber. O que é o LA?