08 abril 2008

Juromenha

A primeira ocupação humana da região de Juromenha remonta aos Celtas. Mais tarde, devido à sua posição estratégica junto ao rio Guadiana, os romanos, pela mão de Júlio César, reforçaram as defesas da povoação, calcula-se que por volta de 44 a.C.
Ocupada mais tarde, quando da invasão muçulmana da Península Ibérica, foi um posto avançado de defesa da cidade de Badajoz, pertencente ao Califado de Córdoba. Em 1167, com o auxílio das forças de Geraldo Sem Pavor, D. Afonso Henriques tomou este castelo aos muçulmanos, embora por um curto período, já que seria novamente reconquistado pelo Califa Almançor, em 1191. Só em 1242, ficou definitivamente em mãos portuguesas.
Em 1312, o Rei D. Dinis concedeu a Juromenha carta de foral, promovendo simultaneamente o reforço das suas linhas defensivas. O Rei D. João II, reconhecendo a importância estratégica da povoação, confirmou novamente o seu foral em 1492. Durante a Guerra da Restauração foi construída uma nova fortificação – a Fortaleza de Juromenha, que acaba por se confundir com a anterior estrutura militar.
Ainda decorria esta construção quando, por volta de 1659, o seu paiol explodiu, destruindo muitas das estruturas existentes. Em 1755, aquando do terramoto, registaram-se novamente bastantes estragos, originando novas obras de recuperação. Actualmente muito danificada, está classificada como imóvel de interesse público.

9 comentários:

nautilus disse...

Que belíssimos enquadramentos.

Juromenha é um dos meus castelos preferidos, vale bem o "desvio" ou o passeio. Quando lá estive, há um ano, estavam a começar a fazer algumas recuperações, como é que está isso?
Mas confesso que gostava mais quando o Guadiana tinha menos água.

Laurus nobilis disse...

Sim, arrajaram uns telhados de uma capela, mas não dei por mais nada em termos de recuperação.

Laurissilva disse...

Obrigada por nos mostrares os sítios lindos por onde andaste! É um prazer ver estas fotografias.

Ricardo Cordeiro disse...

Excelente aula de história! Belas fotos e paisagens!

Marieke disse...

CARTA DE JUROMENHA

Ao longe vejo Olivença

Mais perto, Vila Real

A meus pés o Guadiana

Correndo manso – na crença

De que tudo é Portugal.

Laurus nobilis disse...

Continuo a dizer que a paisagem ajuda... É realmente um sítio lindo!

Bela veia poética, Marieke!

Velas do Tejo disse...

Estou farto de estar em casa... amanhã vou até lá

Dylan disse...

Finalmente parece que o governo decidiu fazer algo por esta localidade. Está previsto um grande projecto de recuperação.

Laurus nobilis disse...

Vamos lá ver o que vão fazer... Espero que não estraguem!