22 julho 2017

Os embondeiros de Angola

Os sobas dizem que os embondeiros já nascem velhos e talvez tenham razão. No meio da savana contemplam o mundo com o vagar da experiência, económicos em gestos: nem sequer se agitam ao vento...
Florescem apenas durante uma noite no ano inteiro, porque têm tempo, muito tempo. A sua vida pode chegar aos seis mil anos e só a sequóia e o cedro japonês os batem em longevidade. De certa forma, são árvores da Criação: nascem com o mundo, já velhas e sábias.
A magia desta árvore reside na sua narrativa. Ela sussurra-nos África... Aquela África de Sol escaldante e chuvas torrenciais, de terra  vermelha e casas de adobe, em perfeita harmonia com a natureza.
Fotos e texto gentilmente cedidos por FCS

18 julho 2017

As "canoas" da Guiné-Bissau


Como Estado arquipelágico que é, é normal que na Guiné-Bissau uma parte dos transportes de pessoas e bens se faça de barco.
Existe um "sistema de transportes" entre o porto de Bissau e as principais ilhas, que foi recentemente melhorado e oferece um serviço regular, através de uns pequenos "cacilheiros", e ainda umas lanchas rápidas para turistas. No entanto, existe também um conjunto de canoas motorizadas que proporcionam um transporte mais flexível e porventura mais "acessível".
Algumas das canoas, como a de cima, exibem pinturas muito coloridas.

Ao longo do nosso passeio pelos Bijagós fomos encontrando estas canoas muito estreitas e compridas, sempre transportando pessoas e carga.

Outras, mais pequenas e movidas sobretudo a vara, são sobretudo utilizadas para a pesca.

09 julho 2017

Lapa de Santa Margarida


Na costa Sul da serra da Arrábida, entre o Portinho e Alpertuche, localiza-se esta ampla gruta cavada pelo mar. No interior localiza-se uma pequena capela (que já vi em melhor estado), dedicada a Santa Margarida, que deu o nome à Lapa, mas existem também vestígios de tempos pre-históricos.
A Lapa de Santa Margarida é uma ampla caverna com duas aberturas, uma na falésia, por onde se processa a entrada, e outra ao nível do mar.


São impressionantes as enormes colunas formadas por estalactites e estalagmites,

bem como os tectos e paredes de brecha e conglomerado com cores que vão do rosa ao cinzento.


Para lá chegar é necessário descer (e depois subir) uma bonita escadaria (infelizmente bastante degradada) escondida pela vegetação de "maquis" que caracteriza a serra da Arrábida. O acesso, que não está assinalado, localiza-se na descida para o Portinho, em frente ao centro de férias da Casa do Gaiato.

02 julho 2017

A propósito de incêndios...



Costa Vicentina, em 2016.