21 novembro 2006

Apostar no Futuro

  • Prosseguir a concretização do projecto do Alqueva na sua componente mais importante, o regadio (o fornecimento de água a 112 mil ha permite uma agricultura mais rica e diversificada) e na componente do turismo sustentável, dando resposta aos projectos de investimento já existentes
  • Promover a “marca Alentejo”, por exemplo em Espanha, como suporte à comercialização de vários tipos de produtos da região
  • Dinamizar a agricultura biológica, através de formação nesta área e da constituição de sociedades especialmente vocacionadas para a comercialização destes produtos
  • Promover a utilização da base aérea de Beja, captando investimento directo estrangeiro
  • Converter os parques industriais em áreas de localização empresarial e plataformas logísticas
(nas fotos, de cima para baixo: plantações frutícolas em Juromenha junto à albufeira do Alqueva e plantação de relva, destinada a Espanha, próximo de Odemira)

7 comentários:

nautilus disse...

Foi coincidência porque este texto surge na sequência do do Algarve, mas esta "é" a semana da Agricultura Biolóogica. E vai ter lugar em Beja, no dia 24, um seminário sobre Plantas Aromáticas e Medicinais (ver mais em http://www.naturlink.pt/canais/Artigo.asp?iArtigo=18723). Sempre achei admirável a forma como no Alentejo, com um bocado de pão e as ervas adequadas, conseguem fazer pratos deliciosos

garina do mar disse...

Açorda! e sopa de beldroegas!! e aqueles ensopados cheios de ervinhas em que eu só como o molho com pão... bem bom!!

Laurus nobilis disse...

Resta saber se o que é vendido como biológico é mesmo biológico... é que anda para aí muito lixo dito "biológico" que estraga aquilo que é verdadeiramente biológico. Já agora, que esta onda está muito na moda, é preciso que se tenha a cabeça no lugar: este tipo de produção não serve para alimentar populações; é tão somente um segmento de mercado a explorar, sobretudo se estivermos a pensar em urbanos mais ou menos endinheirados...

garina do mar disse...

por acaso conheço um fulano que faz agricultura biológica ali para as bandas de Évora e que diz que não sai mais cara do que a que fazia antes...

Laurus nobilis disse...

pois!

Anónimo disse...

Comecei por achar espantosa a imagem. O conteúdo també, Se há coisa que eu goste é ter " saudades do futuro" e ver que há quem saiba projectar para o futuro a terra " o único bem que já não se produz" , segundo MArk Twain.

nautilus disse...

O "nosso" mar e a "nossa" terra: dois activos que Portugal podia potenciar mas que continua a nem sequer saber aproveitar.